Grupo usa redes sociais para cobrar melhorias para Águas Claras

Tecnólogo criou 30 grupos no WhatsApp para compartilhar irregularidades.

Com fotos, moradores enviam relatórios acionando órgãos fiscalizadores.


Reprodução de conversa nas redes sociais de grupo
de Águas Claras (Foto: Facebook/Reprodução)

Moradores de Águas Claras, no Distrito Federal, adotaram a tecnologia para unir a comunidade em busca de soluções para problemas de infraestrutura na região administrativa. O que começou como uma página nas redes sociais para denunciar problemas evoluiu para a criação de 30 grupos no WhatsApp que abrangem diferentes quadras e aproximadamente cem pessoas.

Criador do grupo "Acorda, Águas Claras", o tecnólogo Tiago Augusto Aniceto, 32 anos, diz que, em 2013, no auge das manifestações populares, decidiu agir por conta própria para promover mudanças na comunidade. "Via o pessoal pedindo melhorias para o Brasil e resolvi olhar para minha cidade, minha rua, minha quadra, e ver que ali precisava de melhorias. Então por que não apontar irregularidades e começar o movimento por aqui?", diz.

Desde então os grupos se multiplicaram e, em vez de apenas expor problemas, os moradores e síndicos passaram a cobrar dos órgãos fiscalizadores e da administração regional soluções para casos de despejo irregular de lixo, tráfico de drogas, violência, falta de policiamento. Quase sempre o grupo produz relatórios com fotos para embasar as demandas.

Estande abandonado tomado por lixo em Águas Claras, no
DF (Foto: G1/Reprodução)

"Na quadra 207, conseguimos que a administração cortasse todo o mato, que estava muito alto, e que cuidasse da pracinha. A administração começou a atuar e prometeu executar a obra da praça Sul, perto do metrô Arniqueiras, que estava toda esburacada. Os moradores se uniram e estão firmes na cobrança", diz Aniceto.

Desde o ano passado, o grupo pede atuação da Agefis para remover um estande de venda imobiliário há meses sem uso na rua 35 Sul com a Jequitibá. "É de alguma construtora que já se retirou dali e a estrutura permaneceu e está sendo usada por moradores de rua, virando ponto de risco. A gente não sabe se tem usuários de drogas por ali, mas é um ponto de muito perigo", diz. "Fizemos a denúncia para a Agefis, mas ainda não obtivemos retorno, apenas um número de protocolo."

A Agefis informou ao G1 que o pedido de remoção do estande foi feito na gestão anterior, mas a retirada da obra será feita em breve, como operação de emergência.

Os moradores também reclamam de um terreno na esquina da rua 34 Sul com a Boulevard Sul. "Uma lei distrital de 2003 estabelece que todo lote particular deve permanecer limpo, com muro cercando e calçada. Esse lote está descumprindo a lei, e também já enviamos para a Agefis."

A Agefis informou que não tinha conhecimento sobre o lote e que nesta semana iria enviar um fiscal ao local para identificar e notificar o proprietário do espaço, que deverá adequar o terreno às normas por conta própria.

Outra preocupação compartilhada pelo grupo é a ocupação irregular de vagas no balão em frente à UniEuro em dias de concurso público. "O Detran faz vista grossa e a cidade vira um caos. Os carros param em cima da rotatória ao longo da calçada, no acesso à EPTG. Os agentes têm colaborado e, na nova gestão, estamos tentando um novo diálogo."
Grupos de diferentes quadras de Águas Claras
formados no WhatsApp (Foto: G1/Reprodução)

Por e-mail, o Detran afirmou que faz o planejamento para a segurança do trânsito em dias de concursos públicos e que são escaladas equipes de fiscalização para atuar no controle do tráfego. As vias de circulação são sinalizadas com cones antes e após o término do evento. Nos demais horários, são empregadas equipes no patrulhamento para coibir irregularidades de estacionamento e atender ocorrências de trânsito.

União
Conceitos de cidadania e comunidade norteiam as ações dos moradores. "Criamos grupos específicos para cada vizinhança, não só para tratar de problemas, mas para unir, ter uma vizinhança que se comunica, interage, para marcar um café na praça, jogar bola na quadra e ter mais proximidade e interação, uma comunidade mais unida", afirma.

"O que me motiva [a agir] é ver uma cidade como Águas Claras, com prédios de altíssimo padrão, ter uma infraestrutura tão precária", diz Aniceto. "É a indignação de descer a rua, virar a esquina e não ter calçada para ir à padaria. É pagar impostos tão altos e não ter retorno. A população tem que acordar de uma forma comunitária, sem intenção política, pensando apenas na melhoria da vizinhança, na infraestrutura geral e na comunicação dos moradores entre si."
Moradores de Águas Claras seguram fotos de projetos de praça em reunião (Foto: Tiago Aniceto/Reprodução)

A administração regional de Águas Claras informou que acompanha todos os canais de comunicação existentes na regional, sejam blogs, sites e veículos comunitários virtuais ou impressos. As demandas de moradores ou da imprensa comunitária podem ser enviadas pela assessoria de comunicação ou pela ouvidoria da regional. O prazo para resposta, segundo a administração, é de até 72 horas.

A Agefis informou que os canais para a população são os telefones 162 ou 3961-5200. Reclamações, elogios ou manifestações ao Detran também podem ser feitas pelo telefone 162 ou pela página do órgão.
Compartilhar

Por: SAC Sistema Alternativo de Comunicação